Lipidose hepática felina

A lipidose hepática felina ocorre quando há acumulação de gordura nas células do fígado. Ocorre principalmente em gatos obesos ou com anorexia ou privação do alimento. O tratamento baseia-se na administração de alimentos, bem como na correcção de desequilibrios e patologias subjacentes.

O que é a lipidose hepática?

A lipidose hepática, ou fígado gordo, ocorre quando há acumulação de lípidos (gorduras) nas células do fígado (hepatócitos). A lipidose hepática felina aparece quando mais de 50% das células do fígado acumulam gordura, e resulta em paragem do fluxo de bilis e disfunção hepática.

 

Sintomas da lipidose hepática felina

É importante o dono identificar precocemente esta patologia de forma a dirigir-se ao seu médico veterinário o mais rápido possível. Poderão observar-se os seguintes sinais:

  • Anorexia
  • Perda de peso
  • Atrofia muscular
  • Ictericia: coloração amarela dos tecidos (ex. gengivas amarelas)
  • Fraqueza e colapso
  • Vómito, diarreia, constipação
  • Aumento do fígado
  • Desidratação
  • Depressão por encefalopatia hepática
  • Insuficiência hepática grava (raro)

 

O que causa a lipidose hepática em gatos?

Os ácidos gordos estão em troca contínua entre o fígado e o tecido adiposo (reservas de gordura), tendo o fígado uma capacidade limitada de os libertar. Quando ocorre desequilíbrio, por aumento dos ácidos gordos no sangue ou diminuição da sua libertação pelo fígado, há deposição de gordura nas células hepáticas.

Poderá ocorrer por mobilização rápida de reservas de gordura durante períodos de anorexia, obesidade, patologias que causem diminuição da absorção de nutrientes (ex. anorexia, problemas de absorção ou digestão de nutrientes), patologias hepáticas ou neoplasias.

  

Factores de risco da lipidose hepática em felinos

  • Falta de apetite, anorexia ou privação de alimento: A restrição de 50% das necessidades energéticas poderá causar sinais clínicos de lipidose hepática em 1 semana;
  • Obesidade: aumento de peso em gatos saudáveis provoca acumulação hepática de lípidos;
  • Esterilização: maior risco por redução da actividade física que poderá originar desequilíbrios energéticos e obesidade;
  • Alterações ambientais;
  • Perda de peso rápida;
  • Dietas ricas em carboidratos;
  • Doença aguda;
  • Fêmeas;
  • Gatos adultos.

 

Diagnósticos da lipidose hepática felina

O diagnóstico consiste nos sinais clínicos demonstrados pelo animal que, em conjunto com a história de anorexia ou obesidade, levarão o médico veterinário a suspeitar desta patologia. Poderão ser realizados exames complementares. O diagnóstico definitivo é feito por biopsia hepática.

 

Tratamento da lipidose hepática felina

O tratamento consiste em correcção da desidratação e desequilíbrios dos electrólitos (potássio, fosfato e magnésio) em conjunto com uma terapia nutricional. A ideia é fornecer energia ao organismo para que não continue a mobilizar reservas de gordura sem colocar pressão no fígado.

Deverá ser administrada vitamina K a todos os gatos suspeitos, assim como suplementos de metionina. Poderá ser administrada metoclopramida para controlar o vómito e as náuseas e estimular a actividade do estômago. Caso a lipidose hepática tenha origem em patologias, estas deverão ser tratadas com a medicação apropriada. Cirurgias deverão ser evitadas uma vez que têm elevada mortalidade.

Dieta para lipidose hepática felina

O tratamento precoce com dieta apropriada é essencial para a recuperação rápida do animal. O ideal é a administração de alimento. No entanto, a alimentação forçada à boca poderá causar aversão, pelo que nesses casos é melhor a aplicação de um tubo nasogástrico.

A actividade física poderá ser limitada devido à fraqueza. No entanto poderá ser favorável estimulando a motilidade do estômago. Suplementos poderão ser fornecidos para ajudar a recuperação, como vitaminas, potássio, L-carnitina, taurina e tiamina.

A dieta deverá consistir de alimentos que estimulem o interesse e apetite do animal. O ideal é fornecer uma dieta rica em proteína e calorias, garantindo a ingestão de 60 a 90 kcal/kg de animal por dia. Várias marcas de alimentos para animais apresentam ração hepática para gatos que poderão ser administradas, como das marcas Hill's ou Royal Canin.

Acompanhamento durante a terapia

Após implementação do tratamento é importante que o gato seja seguido por o médico veterinário. Na reavaliação será avaliado o peso, condição corporal, hidratação e nível de electrólitos. Poderão também ser avaliadas as enzimas hepáticas e níveis de bilirrubina que poderão estar aumentados por obstrução da bílis pela lipidose hepática.

 

Prevenção da lipidose hepática felina

  • Evitar a obesidade;
  • Programas de perda de peso não deverão exceder a perda de 2% por semana;
  • Estar atento ao consumo de alimentos, principalmente me situações de stress.

 

Prognóstico da lipidose hepática felina

O prognóstico é bom quando há tratamento, havendo recuperação de 85% dos casos e podendo esperar recuperação total às 6 semanas. Apesar de afectar o fígado, a lipidose hepática não causa disfunção permanente. A colocação de tubo para alimentação e administração de suplementos podem aumentar o ritmo de recuperação.  Sem assistência veterinária e sem tratamento é fatal.  

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *