Como avaliar a qualidade da informação online sobre nutrição de cães e gatos?

0

A maioria dos portugueses tem acesso à internet. Isto pode ser benéfico ou prejudicial, pois existe muita informação, mas esta é desregulada e de qualidade variada. Decidir que websites confiar torna-se uma tarefa difícil.

A nutrição de animais de companhia é um tópico popular. Há centenas de websites que promovem as mais variadas dietas, desde de receitas de dietas de carne crua a dietas vegetarianas, anúncios para suplementos e rações holísticas, recomendações de dietas que “curam” doenças, esquemas de venda e consultas de alegados nutricionistas de formação suspeita. Entre estas dietas há algumas que são nutricionalmente equilibradas, enquanto outras são desequilibras ou até mesmo perigosas!

Dicas para o tutor cibernauta

Então, como tutor, como posso decidir no que acreditar? Existem algumas recomendações simples que podem ajudar a avaliar o conteúdo da informação que encontramos na internet:

1. Discutir sempre a informação com o médico veterinário

A informação adquirida pelo tutor na internet deve ajudar a discutir estes tópicos com o médico veterinário e não substituir os seus conselhos. Em caso de dúvida, discuta as informações com o seu médico veterinário antes de fazer mudanças radicais na dieta do seu cão ou gato.

2. Procure as credenciais do autor do site

Quem é o autor do site? O tutor de um animal? Um veterinário? Um médico veterinário especialista ou doutorado em nutrição? É preciso ter cuidado quando o autor do conteúdo se afirma como “nutricionista animal” sem apresentar qualificações para tal.

O ideal é obter a informação de fontes oficiais ou em conteúdo escritos por profissionais na área da medicina veterinária, para garantir maior confiança na informação. Algumas empresas de rações também apresentam informação de alta qualidade no seu website.

3. Qual é a fonte da informação?

Os autores apenas afirmam que o produto “previne o cancro” ou há uma referência a um estudo científico rigoroso que o possa provar? É fácil, apesar de ilegal, fazer afirmações sobre produtos nutricionais, mas é muito mais difícil prová-las cientificamente.

Se os autores apresentam uma referência, esta foi publicada onde? É do próprio autor noutra página web ou de um jornal científico com revisão de pares e com reputação? A maioria dos produtos e informações na internet não citam estudos para justificar as suas afirmações. Outros citam estudos que foram feitos em ratos ou humanos, não sendo pertinentes para a nutrição de cães e gatos.

4. Verifique o quão recente é a informação

A ciência evolui rapidamente, especialmente na área da nutrição. Enquanto alguns princípios básicos se mantêm, como os macronutrientes, outros podem mudar rapidamente, como a dieta recomendada para uma certa doença.

Muitos websites focam-se em informação antiga que já está desatualizada. Um website de referência deverá ser atualizado regularmente, especialmente em tópicos que estejam em constante evolução.

5. Tenha atenção a provas anedóticas

Descrições de experiências pessoas podem induzir em erro. Enquanto que útil ouvir as experiências de outras pessoas, a sua avaliação positiva não significa que o produto ou tratamento seja realmente benéfico. É importante discutir sempre estas questões com o médico veterinário.

Isto porque existem vários fatores que influenciam a nutrição e a saúde animal do individuo. Logo, o resultado de um caso ou dois (ex. os meus cães melhoraram depois de comerem a ração X) não significa que o tratamento seja bem-sucedido. Para tal, é preciso conduzir estudos científicos com um elevado número de indivíduos que permita isolar o fator da dieta dos restantes fatores na vida do animal.

6. Cuidado com os websites de rating

Muitos websites gostam de ordenar as rações de cães e gatos baseados em opinião ou critérios aleatórios que não asseguram necessariamente a qualidade da ração, como o preço, ingredientes ou a empresa. Estes websites nem sequer são escritos por médicos veterinários nutricionistas. É importante o tutor usar critérios mais objetivos para avaliar a qualidade da ração, como basear-se em estudos científicos e no controlo de qualidade.

7. Ser céptico quando se dão respostas simples a problemas complexos

Lembre-se do velho ditado: quando a esmola é grande o pobre desconfia. Isto é também verdade na nutrição animal. Quando lhe apresentam explicações muito simples para problemas complexos, provavelmente essa explicação não é verdade.

Por exemplo, podem alegar que o cancro é causado por carbohidratos nas rações. Mas esta explicação não é verdade por ser demasiado simples e não ser fundamentada em informação científica. Na verdade, o aparecimento de cancro é influenciado por vários fatores, entre os quais poderá estar a dieta. Muito menos há informações que justifiquem um dos macronutrientes ser a principal causa de cancro.

Conclusão

A informação disponibilizada na internet é benéfica ao tutor de cães e gatos, desde que seja sempre discutida com o seu médico veterinário. Alguns fatores podem aumentar a confiança na informação lida, como a correta formação do autor e o uso referências científicas.

Adaptado de: WSAVA; WSAVA

Artigo anteriorIdeias para casotas recicladas e de paletes
Próximo artigoJack Russell Terrier – Guia da raça
Joana C. Prata, Msc., tem um mestrado em Medicina Veterinária pela Universidade do Porto e é fundadora d’O Meu Animal. Sempre viveu rodeada de animais, tendo agora como companheiros dois gatos (a Rita e o Romeu), três cadelas (a Kami, a Inês e a Pota), uma tartaruga (o Nicholas) e uma colónia com cerca de dez gatos. Neste momento faz investigação na Universidade de Aveiro, como aluna de doutoramento e bolseira em Biologia e Ecologia das Alterações Globais, onde tenta identificar fatores ambientais que possam ter impacto na saúde humana, animal e dos ecossistemas.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor introduza o seu comentário
Por favor introduza o seu nome aqui