Border Collie – guia da raça

0

A raça Border Collie foi desenvolvida para controlar ovelhas numa zona fronteiriça entre Escócia e a Inglaterra. É conhecida pela sua capacidade de controlar um rebanho. É um cão com muita energia e resistência, fazendo de si uma raça de excelência no que toca à pastorícia. Ainda hoje eles são usados em quintas em todo o mundo. A facilidade com que aprendem e são treinados faz do Border Collie uma raça que brilha em diversos desportos caninos.

A raça Border Collie possui porte médio, possui uma quantidade elevada de energia e resistência, características essenciais para desempenhar o seu trabalho no montes e vales Escoceses. O único ponto negativo seria quando o Border Collie é acolhido por uma família que não compreende a sua natureza. Este tipo de cão não é muito pachorrento, cão de sofá, ele quer, e precisa, de uma função ou tarefa. Ter capacidade para lidar com o ritmo e intensidade desta raça não é tarefa fácil e pode até ser exaustiva, para uma família que prefira um ritmo mais calmo e descontraído. O Border Collie é um cão de rebanho, portanto sente a necessidade de juntar, guiar e controlar um conjunto de animais, sejam estes ovelhas, gatos, esquilos, na realidade, tudo o que mova, incluindo carros. O seu instinto de ladrar, empurrar e conduzir não são algo que esta raça alguma vez possa esquecer. Estes instintos não devem ser treinados para serem ocultados, mas sim redirecionados para uma nova tarefa, seja ela controlar um rebanho ou competir numa prova canina. Um pequeno passeio ou uma brincadeira ligeira não são suficientes para preencher a atividade física necessária desta raça. Dito isto, um Border Collie pode ser o cão ideal para viver consigo. A sua inteligência faz com que seja muito fácil de treinar. É um cão muito sensível e, dito por quem lida com a raça diariamente, até consegue prever o que você vai pedir mesmo antes que o faça. Se ele é ensinado a socializar e a treinar desde pequeno, ele pode adaptar-se a praticamente todas as situações que preencham os seus requisitos físicos e mentais.  Esta raça é ideal para um cuidador muito ativo, especialmente que se queira aventurar em desportos caninos. Como o correto treino, esta raça brilha em todo o tipo de atividade que envolva perícia física e mental.

Tamanho e peso

Os machos atingem alturas entre os 50 e os 55 cm, com um peso fixado entre 15 e 20Kg. Já as fêmeas, chegam aos 47 a 52 cm de altura e os mesmos 15 a 20 Kg.

Personalidade

A sua personalidade é caracterizada pela sua energia, atenção, pela sua inteligência e predisposição para o trabalho. Ele aprende muito facilmente, tão facilmente que por vezes é difícil manter a aprendizagem desafiante. Esta raça gosta de se manter ocupada. Na verdade, ele deve estar sempre ocupado ou aborrece-se, o que leva a comportamentos de risco como é o caso da perseguição a carros, cavar buracos ou ladrar constante. Este não é um animal que goste de se deitar a relaxar ao lado do dono, é sim um cão que vive para o trabalho. Nunca nos devemos esquecer que esta raça foi criada para correr e controlar rebanhos diariamente. O Border Collie também é conhecido pelo seu lado sensível e pela facilidade com que consegue ler até os mais pequenos detalhes do seu cuidador. Desde um assobio, um gesto com a mão ou até mesmo uma sobrancelha mais saliente, nada vai passar despercebido ao seu Border Collie. Claro que nenhuma raça é perfeita. Apesar do seu carácter forte e independência, as suas qualidades podem facilmente ser mal dirigidas. Na falta de ovelhas, ou outro tipo de trabalho, ele é capaz de encontrar um rebanho para si mesmo, guiando e perseguindo crianças, carros ou outros animais. Ele também pode bastante introvertido e com medo caso não tenha socializado em cachorro. Aulas de treino, exposição a uma variedade de pessoas e sítios, estas são pequenas coisas que podem ajudar o Border Collie mais sensível a ultrapassar o medo e ganhar confiança.

Saúde

Os Border Collie são, na sua generalidade, animais saudáveis, mas como todas as raças, eles estão suscetíveis a alguns problemas de saúde. Nem todos os Border Collie estão ou vão estar sujeitos a estas doenças, no entanto é bom estar informado se está a considerar adquirir um cão desta raça.

  • Displasia da anca: Esta é uma condição que afeta a articulação entre a coxa e a anca do animal. Alguns cães mostram desconforto e até dor num ou ambos os membros traseiros, no entanto outros não demonstram esses mesmos sinais, sendo um raio-X o método mais certo de diagnóstico. Em todo o caso, artrite pode desenvolver-se com o envelhecimento do cão.
  • Atrofia Retinal Progressiva: Este é um tipo de doença que envolve a deterioração gradual da retina. Em fases menos avançadas da doença, os cães afetados podem ficar com a sua visão noturna afetada e, com o avançar da doença, também perderão a visão durante o dia. Muitos cães adaptam-se bem à sua limitação ou perda de visão, desde que, o que os rodeia, se mantenha o mesmo.
  • Epilepsia: Esta é uma condição neurológica que muitas vezes, não sempre, é hereditária. Epilepsia pode causar casos ligeiros ou graves casos de convulsões que podem demonstrar-se em padrões de comportamento fora do normal (correr freneticamente, cambalear, esconder), quedas, rigidez nos membros ou perda de consciência. Estas convulsões são assustadoras de ver, no entanto o prognóstico deste tipo de doença é geralmente positivo. É importante deslocar-se ao veterinário para o que o seu animal tenha um correto diagnóstico e tratamento (especialmente porque as convulsões podem ter outras causas associadas).
  • Anomalia ocular da raça Collie: Esta é uma condição hereditária que causa anomalias no olho e que, em alguns casos, pode levar a cegueira. Estas mudanças hipoplasia coroidal, defeitos no disco ótico, a possibilidade da esclera ficar mais fina e também descolamento retinal. As anomalias do foro ocular nos Border Collie ocorrem até aos dois anos de idade. Não há tratamento para esta condição.
  • Alergias: Há três tipo de alergias: alergias alimentares, que são tratadas com a eliminação de certos alimentos na dieta do animal; alergias por contacto, que são causadas pela reação entre uma substancia tópica tal como remédios para as pulgas, shampoos, e outros químicos; e alergias inalantes, que são causadas por substancias que circulam no ar, tais como o pólen, pó, mofo, etc. O tratamento varia consoante a causa e pode incluir restrições ao nível da dieta, medicação e mudanças ambientais.
  • Osteocondrose Dissecante: Uma condição ortopédica causada pelo crescimento indevido da cartilagem nas articulações, usualmente ocorre nos cotovelos, mas pode-se manifestar também nos ombros. Causa um enrijecimento doloroso das articulações, ao ponto de o animal não conseguir usar a mesma. Esta condição pode ser detetadas desde os 4 a 9 meses de idade. Uma alimentação em excesso de alimentos com elevado teor proteico pode ser uma das causas do desenvolvimento desta doença.

Cuidados

Apesar de o Border Collie ser um cão que se adapta facilmente, ele é mais adequado a um ambiente que lhe dê bastante espaço. Casas com um grande jardim vedado ou uma quinta seriam o ideal para esta raça. Devido à sua natureza de perseguir e controlar um rebanho, ele deve ser protegido de ameaças como carros, bicicletas, etc. Independentemente do ambiente em que ele esteja situado, o Border Collie requer uma elevada quantidade de estímulos físicos e mentais diários, conjugado com um cuidador que esteja disposto a dar-lhe isso. Isto pode ser um grande peso para cuidadores inexperientes devido ao nível de exigência física e mental que é necessária para manter um Border Collie feliz e saudável. É necessário ter uma forma, para o cuidador, de canalizar toda a energia e inteligência do seu cão. Se não tem uma quinta com animais, o desporto canino é uma boa alternativa.

Alimentação

É recomendado seguir uma dieta de ração seca, seguindo as quantidades aconselhadas pelo fabricante consoante as especificidades do seu animal, divididas em duas refeições separadas. Tal como as pessoas, nem todos os cães necessitam da mesma quantidade de comida. O peso, altura, porte, idade, metabolismo, problemas de saúde e restrições alimentares, tudo isso é necessário ter em conta quando estamos a falar na alimentação, não só do Border Collie, mas de todos os animais de companhia.

Pelagem e cuidados de higiene

O Border Collie tem duas variedades de pelagem, uma mais áspera e outra mais macia. Ambas possuem duas camadas, uma camada interior mais grosseira e áspera, e uma outra camada exterior mais suave. A variedade de pelagem mais áspera é de comprimento médio e uma plumagem mais prominente na zona das pernas, peito e barriga. No que toca à variedade de pelagem mais macia, esta é mais curta, com uma textura mais prominente e plumagem mínima. A sua pelagem apresenta usualmente uma cor preta e branca, no entanto ele pode apresentar qualquer tipo de combinação bicolor, tricolor ou de coloração única (excepto branco). O Border Collie não necessita de muitos cuidados. A sua pelagem dupla necessita de escovagem semanal para manter uma distribuição uniforme dos óleos do pelo e para evitar o entrelaçamento do pelo. Uma escovagem mais frequente durante a muda de pelo é uma boa alternativa para evitar que haja uma queda elevada de pelo, especialmente dentro de casa. No caso do banho, este deve ser apenas quando necessário. Nunca esquecer de escovar os dentes do seu Border Collie pelo menos duas a três vezes por semana para remover o tártaro e as bactérias. Escovagem dos dentes diária é aconselhável caso queira prevenir doenças nas gengivas e mau hálito. Aparar as unhas uma vez por mês se necessário e verificar semanalmente as orelhas do seu cão para estar atento a sujidade, vermelhidão e mau odor, sintomas que podem estar associados a uma infeção. Durante a escovagem deve também estar atento a erupções cutâneas, feridas, vermelhidão, sinais que podem indicar inflamação na pele, no nariz, nos olhos ou patas. Os olhos do seu Border Collie devem apresentar-se sem vermelhidão e sem derrames oculares.  Um bom exame semanal ao seu melhor amigo pode diagnosticar um potencial problema de saúde numa fase inicial de desenvolvimento.

Crianças e outros animais

O Border Collie é um bom animal de família, desde que tenha socializado desde pequeno e recebido o treino adequado. Ele relaciona-se bem com crianças e outros animais, apesar de que o seu instinto natural pode leva-lo a perseguir e a ladrar a crianças (especialmente muito novas) e animais caso as suas necessidades de trabalho não estejam a ser satisfeitas. Tal como qualquer raça ou animal, as crianças devem ser educadas a como aproximar-se e relacionar-se com o animal. Todas as interações entre o seu animal e as crianças devem ser supervisionadas para evitar zangas de ambas as partes. Ensine a sua criança a nunca se aproximar do seu cão quando este está a dormir, a comer ou tente tirar a comida do animal. Nenhum cão, não interessa o quão amigável, deve ser deixado sem supervisão com uma criança.

História

Os seus antepassados já rumavam em terras Britânicas desde os primeiros humanos que começaram a usar cães para guardar e controlar os rebanhos. Na fronteira entre a Escócia e a Inglaterra, esta raça tornou-se num ativo fundamental para qualquer pastor e, os melhores cães pastores eram cruzados com outros também exímios na sua função. O nome Border Collie reflete parcialmente a sua herança Escocesa: a palavra Collie, que se refere aos cães pastores, deriva do dialeto escocês. Em 1860, os cães pastores escoceses foram exibidos no segundo espetáculo de cães alguma vez feito na Inglaterra. A capacidade de auxiliar o pastor no seu trabalho diário conferiu ao Border Collie o interesse de muitos para a sua reprodução e, até aos dias de hoje, esta sua habilidade é reconhecida.  A raça Border Collie foi reconhecida pelo American Kennel Club no dia 1 de outubro de 1995.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor introduza o seu comentário
Por favor introduza o seu nome aqui