Dermatite seborreica em cães: causas e tratamento

0

A dermatite seborreica canina é uma patologia dermatológica devido a um defeito na queratinização ou cornificação (formação e renovação) da camada externa da pele, folículos de pelo e unhas.

A seborreia resulta no aumento da formação de escamas (caspa), por vezes com aumento da oleosidade da pele. Poderá ser acompanhada de inflamação ou infeção secundária.

Os principais sintomas da dermatite seborreica incluem:

  • Descamação, crostas e pele gordurosa;
  • Infeção da pele por bactérias ou fungos (Malassezia);
  • Falta de pelo (alopecia).

A prioridade é o tratamento das patologias secundárias para que possa aliviar-se o desconforto e permitir o diagnóstico da causa primária. As principais causas da dermatite seborreica secundária são as alergias e endocrinopatias (problemas hormonais).

Anteriormente clacificava-se a dermatite em seborreia seca, seborreia oleosa e seborreia inflamatória. No entanto, constata-se que todos os animais têm certos graus de variação destas três classificações.

Dermatite seborreica primária

A dermatite seborreica primária é uma patologia hereditária. Esta patologia afeta cães mas raramente é observada em gatos. Afeta especialmente cães de raça Cocker Spaniels, Basset Hounds, Dachshunds, Labradores, Goldens e Pastor Alemão.

Geralmente é uma patologia com história familiar, sugerindo a influencia de fatores genéticos.  Pensa-se que esteja na origem um defeito da queratinização ou cornificação (renovação) da pele ou pelo, com inflamação e infeção secundárias.

A dermatite seborreica primária inicia-se em idades jovens (próximas dos 2 anos) e progride durante a vida do cão. O diagnóstico da dermatite seborreica primária faz-se quando é excluída a secundária e outras patologias.

Dermatite seborreica secundária

A dermatite seborreica secundária é o resultado de uma patologia primária que causa descamação, crostas ou aumento de gordura da pele. Também pode ser acompanhada de inflamação, infeção e perda de pelo.

A dermatite seborreica secundária é mais comum que a primária (hereditária) mas tem sinais semelhantes. Esta seborreia secundária resulta de uma patologia primária.

As principais causas de dermatite seborreica secundária incluem problemas hormonais e alergias. O diagnóstico e tratamento da dermatite seborreica secundária consiste em identificar e tratar estas causas primárias.

Infeções secundárias à dermatite seborreica

As infeções secundárias são importantes na maioria dos casos de dermatite seborreica em cães. O sebo e anormalidades de queratinização são favoráveis às infeções por bactérias e fungos.

O trauma autoinflingido pelo cão devido ao prurido aumenta a possibilidade de infeção secundária. É comum estas lesões serem colonizadas por bactérias Staphylococcus spp coagulase-positivo ou pelo fungo Malassezia.

Estas infeções secundárias contribuem para o prurido, mas também para a inflamação, pápulas, crostas, perda de pelo (alopécia) e descamação. Estas infeções deverão ser tratadas antes do diagnóstico uma vez que poderão mascarar outras patologias subjacentes e são desconfortáveis para o cão.

Diagnóstico da dermatite seborreica

O diagnóstico da dermatite seborreica primária (hereditária) faz-se por exclusão da dermatite seborreica secundária (resultante de outras doenças). As alergias são prováveis em cães jovens (<5 anos) com prurido. Já os problemas hormonais são mais comuns em cães de meia idade ou senior onde não há prurido.

O prurido poderá indicar alergia, sarna, ou pulgas. A ausência de prurido poderá indicar patologias hormonais, sistémica ou dermatológicas primárias. Para além do prurido, um exame físico extensivo permite avaliar o estado físico. No exame dermatológico, devem observar-se as lesões e a sua distribuição.

Infeções poderão ser secundárias à seborreia, incluindo bacterianas e fúngicas (pioderma). O prurido leva a trauma autoinfligido que aumenta a possibilidade de infeção secundária. A infeção origina prurido, inflamação, pápulas, crostas, perda de pelo e descamação. Podem ser colhidas amostras destas áreas para identificar bactérias e fungos. A infeção pelo fungo Malassezia deverá ser sempre considerada.

Uma vez que a infeção secundária pode originar prurido, é necessário tratá-la para proceder à avaliação da causa primária. Outros testes poderão ser necessários, como raspagens de pele, culturas de bactérias ou fungos, biopsias, e exames ao sangue e urina.

cão deitado no chão

Tratamento da dermatite seborreica

Para tratar a dermatite seborreica pretende-se manter o cão confortável enquanto se identifica a causa primária e se tratam as infeções secundárias. O tratamento paliativo destas infeções inclui antibióticos para Staphylococcus (ex. amoxiciclina, cefalexina) ou antifúngicos para Malassezia (ex. cetaconazol, fluconazol) por um mínimo de 4 semanas.

Em adição ao tratamento das infeções com antibióticos, poderão ser utilizados shampoos que permitem controlar a seborreia e acelerar a reparação da pele. Shampoos medicados podem reduzir bactérias e fungos na pele, a quantidade de caspa e sebo, e o prurido. Também ajudam à renovação da pele. A maioria dos shampoos medicados combinam várias funções e são usados em sinergia.

Shampoos queratolíticos

O shampoo para a dermatite seborreica com funções queratolíticas permite removar o excesso de células mortas da pele. Removem a descamação e tornam a pele mais macia. Estes podem temporariamente aumentar a descamação nas primeiras duas semanas. Estas escamas serão removidas nos banhos. Este shampoo incluem como ingredientes enxofre, ácido salicílico, sulfito de selénio, propileno glicol, ácidos gordos e peroxido de benzoílo.

Shampoos queratoplásticos

O shampoo para a dermatite seborreica queratoplástico ajuda a normalizar a queratinização (renovação) e reduzir a formação de caspa. Incluem enxofre, ácido salicílico e sulfureto de selénio.

Shampoos emolientes

O shampoo para a dermatite seborreica emoliente reduz a perda de água pela pele. É mais eficientes quando a pele foi reidratada, especialmente após o uso de outros shampoos. Estes incluem ácido láctico, lactato de sódio, lanolina, e vários óleos, incluindo de coco.

Shampoos antibacterianos e antifúngicos

Os shampoos para a dermatite seborreica antibacterianos e antifúngicos inclui ingredientes que reduzem o número de bactérias e fungos na pele. No caso dos antibacterianos, usa-se peroxido de benzoilo, clorexidina, iodina, etil lactato, tris-EDTA e triclosan. Para os antifúngicos usa-se clorexidina, enxofre, iodina, cetoconazol e miconazol.

Os shampoos no tratamento da dermatite seborreica em cães são usados em sinergia dependendo do grau de seborreia:

  • Cães com descamação leve e sem oleosidade: shampoo suaves, de limpeza, antialérgicos e hidratantes que contêm emolientes (óleos);
  • Cães com descamação e oleosidade moderada: shampoo queratoliticos, queratoplásticos, antibacterianos e antipruriticos (ex. enxofre, etil lactato);
  • Cães oleosidade severa e descamação leve, odor, eritema e inflamação: shampoo com antibacterianos potentes e que desengordurantes para os folículos (ex. peroxido de benzoilo).

A dermatite seborreica em cães é contagiosa?

A dermatite seborreica em cães poderá ser contagiosa dependendo do agente que a origina. No caso da seborreia primária (hereditária), ela poderá ser apenas passada à descendência. Já na seborreia secundária, o contágio depende do agente primário. Uma vez que a maioria das dermatites seborreicas são originadas por alergias e problemas hormonais, não serão contagiosas. Já as causadas por pulgas poderão ser.

Referências:
Merck

Artigo anteriorBorder Collie – guia da raça
Próximo artigoDermatite por lambedura acral em cães e gatos
Joana C. Prata, Msc., tem um mestrado em Medicina Veterinária pela Universidade do Porto e é fundadora d’O Meu Animal. Sempre viveu rodeada de animais, tendo agora como companheiros dois gatos (a Rita e o Romeu), três cadelas (a Kami, a Inês e a Pota), uma tartaruga (o Nicholas) e uma colónia com cerca de dez gatos. Neste momento faz investigação na Universidade de Aveiro, como aluna de doutoramento e bolseira em Biologia e Ecologia das Alterações Globais, onde tenta identificar fatores ambientais que possam ter impacto na saúde humana, animal e dos ecossistemas.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor introduza o seu comentário
Por favor introduza o seu nome aqui