Cão e Gato com Diarreia: o que fazer?

labradorO seu cão ou gato estão com diarreia? Não entre em pânico.

A diarreia em cães e gatos é algo que preocupa muito os donos.

No entanto, a maioria dos casos é auto-limitante ou pode ser tratado.

 

Sinais ● Causas ● Diagnóstico ● Tratamento

Prognóstico ● Prevenção ● Perguntas Frequentes

 

O que é e como acontece a diarreia em cães e gatos?

A diarreia é a alteração do volume, consistência ou frequência das fezes. Normalmente associa-se a diarreia a fezes moles ou liquidas. A causa da diarreia em cães e gatos pode ser variada, desde alergias alimentares, tóxicos, agentes infeciosos, parasitas e problemas intestinais.

A diarreia ocorre através de vários mecanismos. A diarreia pode dever-se ao aumento da secreção de líquidos pelo intestino. Outra forma, é quando o intestino não consegue digerir ou absorver os nutrientes que ficam no lúmen digestivo e retêm água (efeito osmótico). A diarreia também poderá ocorrer por aumento da motilidade do intestino como resposta a uma agressão, como no caso de agentes patogénicos, parasitas ou toxinas.

 

Diarreia Aguda

A diarreia é considerada aguda quando ocorre apenas por 24 a 48 horas. Aparece de forma rápida com o aumento do volume das fezes. Os animais jovens, filhotes de gato ou cão, são a faixa etária mais afetada. Este tipo de diarreia costuma ser um episódio isolado e com resolução rápida. A diarreia aguda é mais comum em cães devido à infeção com parvovirose canina.

Diarreia Crónica

A diarreia é considerada crónica quando ocorre há mais de 3 semanas ou ocorre como episódios recorrentes. A diarreia crónica é também chamada de persistente ou constante. Estes casos são mais preocupantes pois afetam o animal por um período mais prolongado de tempo, podendo haver sinais mais exuberantes.


Sinais associados à diarreia em cães e gatos

Cães e gatos com diarreia por vezes apresentam outros sinais associados. Por vezes, estes sinais estão relacionados com a própria diarreia, como é o caso da desidratação que ocorre por perda de fluídos nas fezes. Outras vezes, os sinais relacionam-se com a causa da diarreia.

  • Desidratação;
  • Mau hálito;
  • Flatulência;
  • Vómito;
  • Falta de apetite (anorexia);
  • Perda de peso;
  • Febre;
  • Sangue nas fezes (melena) ou no vómito;
  • Aumento da ingestão de alimento (polifagia);
  • Aumento da ingestão de água (polidipsia);
  • Dor durante a defecação (tenesmo);
  • Distensão do abdómen;
  • Dor no abdómen;
  • Sons digestivos aumentados.

 

gato sentado

Causas da diarreia em gatos e cães

Existem inúmeras causas de diarreia em cães e gatos. A suspeita da causa varia com a idade do animal, estilo de vida e exposição a alguns fatores de risco.

Em filhotes de gatos ou cães, a diarreia normalmente associa-se a problemas nutricionais, como a mudança de dieta ou desmame, causas infeciosas, devido à suscetibilidade do sistema imunitário, parasitismo intestinal ou à ingestão de objetos.

Já em animais idosos, será mais frequente a relação da diarreia com patologias metabólicas, como a insuficiência renal nos gatos em que a urémia (elevado valor de ureia) causa irritação intestinal, ou com o aparecimento de tumores.

Sendo assim, a diarreia em cães e gatos poderá ter origem numa das seguintes causas:

  • Idiopática, quando a causa é desconhecida;
  • Doenças sistémicas com diarreia secundária;
  • Ingestão de lixo, objetos ou de comida estragada;
  • Mudanças rápidas na dieta, incluindo no tipo, marca e quantidade do alimento;
  • Intolerância alimentar (o organismo não consegue digerir, como por exemplo, a lactose) ou alergia alimentar (reação imune a um alimento);
  • Obstrução do intestino devido à ingestão de objetos estranhos (ex. brinquedos, meias) ou devido a bloqueios do próprio intestino (intusceção ou volvo);
  • Doenças metabólicas, como no hipoadrenocorticismo, ou nos problemas hepáticos, renais (ex. irritação das mucosas) ou pancreáticos (ex. falta de enzimas digestivas);
  • Causas infeciosas virais (parvovirus, coronavírus, retrovírus, esgana), bacterianas (Salmonella, Campylobacter, Clostridium, E. coli), fungais (histoplasmose) e rickettsias;
  • Doença inflamatória intestinal;
  • Parasitismo do sistema gastrointestinal;
  • Ingestão de toxinas, como de plantas tóxicas ou venenos;
  • Ingestão, intencional ou não, de medicamentos;
  • Sobrecrescimento bacteriano no intestino, com desregulação da população de bactérias que normalmente colonizam o sistema digestivo, por exemplo, após tomas prolongadas de antibióticos;
  • Úlceras no estômago ou intestino;
  • Presença de massas ou tumores próximos ou na parede intestinal;
  • Malformações congénitas (raro) como encurtamento do cólon ou conformações anormais dos vasos sanguíneos no fígado (shunts).

Apesar de algumas destas causas serem graves, não precisa de entrar em pânico. Algumas causas tratáveis, como o parasitismo, alergias alimentares e doenças infeciosas, são mais frequentes que a presença de malformações ou tumores. Se o seu cachorro ou gato apresentam diarreia, marque uma consulta no seu médico veterinário para um diagnóstico definitivo.


Diagnóstico da diarreia em cães e gatos

O médico veterinário fará um exame clínico onde avaliará a desidratação, comportamento, postura, problemas abdominais tentando encontrar uma causa para a diarreia. Na diarreia aguda, casos com outros sinais, como vómito, febre, desidratação, depressão, dor abdominal ou sangue nas fezes ou no vómito requerem maior cuidado no diagnóstico.

Poderá ser necessário a realização de exames ao sangue (hemograma e painel bioquimico), à urina (urianálise), citologias, exames dos parasitas fecais, cultura de bactérias nas fezes, radiografias, ecografias, endoscopia, ou testes terapêuticos com dietas hipoalergénicas ou com antibióticos.

O diagnóstico também poderá incluir uma cirurgia exploratória ao sistema digestivo ou a realização de biopsias dos órgãos digestivos.

A cor das fezes também poderá facilitar a suspeita da causa:

  • Diarreia amarelo ou verde: transito rápido do bolo alimentar e digestão incompleta;
  • Diarreia preta: presença de sangue digerido nas fezes;
  • Diarreia branca ou cinzenta: presença de gordura nas fezes (esteatorreia) associada a problemas pancreáticos ou na absorção de nutrientes.

Tratamento da diarreia em cães e gatos

O tratamento depende da severidade e causa da diarreia. Em grande parte dos casos, faz-se um tratamento de suporte em casa, corrigindo os problemas como a desidratação ou reduzindo o vómito. Casos que não respondem ao tratamento sintomático deverão ser tratados de forma mais agressiva.

Na diarreia crónica, faz-se o tratamento da causa subjacente, fluidoterapia com correção da desidratação, níveis de proteína e minerais, e por vezes antibioterapia para corrigir o sobrecrescimento bacteriano.  Em gatos, metronidazole é por vezes recomendado e responsável por melhorias mesmo quando não é possível fazer o diagnóstico definitivo.

Após o tratamento, segue-se a monitorização da cor, frequência, consistência e volume das fezes, assim como outros sinais associados à presença da diarreia.

Fluidoterapia

Na diarreia há perda de grandes volumes de água nas fezes, tornando os animais desidratados e por vezes levando à perda de minerais e proteína. A administração de líquidos por via oral ou fluídoterapia intravenosa permite corrigir a desidratação e também fornece suplementação com minerais (potássio) ou agentes contrariem a perda de proteína.

Antidiarreicos

A administração de antidiarreicos nem sempre é recomendada. O aumento da motilidade intestinal tem como objetivo expelir o irritante. No caso de ingestão de toxinas ou da presença de agentes infeciosos, parar a diarreia aumenta o tempo de exposição ao agente piorando os sintomas. Os antidiarreicos poderão ser por vezes recomendados para reduzir a motilidade, como me casos de ingestão de objetos estranhos, pois podem levar a que o intestino se dobre sobre si mesmo.

Antibióticos

Antibióticos normalmente não são necessários em casos suaves de diarreia aguda. Antibióticos de largo-espectro podem ser recomendados em casos de infeção intestinal bacteriana (enterite), doença severa, diminuição das células imunes (leucopenia) ou da quebra da função de barreia do intestino (como na presença de sangue nas fezes).

Dieta para cães e gatos com diarreia

Em pacientes com diarreia aguda leve e sem vómito, faz-se jejum de 12 a 24 horas seguido de uma dieta suave como frango cozido com arroz ou dietas terapêuticas para o efeito. Deve evitar-se a exposição a outro material que possa ser ingerido, como lixo, alimento de outros animais ou do dono, ou objetos que possam ser ingeridos. Em diarreia crónica, faz-se uma  dieta altamente digestível e baixa em gorduras, administrada por 3 a 4 semanas. Dietas hipoalergénicas são recomendadas se há suspeita de alergia alimentar.

Desparasitantes internos (vermífugos)

Por vezes é recomendado fazer o tratamento empírico com desparasitantes internos de forma a excluir esse agente.

Cirurgia

A cirurgia é recomendada quando o intestino se dobra sobre ele mesmo ou para remover obstruções intestinais. A cirurgia também poderá ser recomendada quando é necessária biopsia de órgãos do sistema digestivo.

Prognóstico da diarreia em cãe e gatos

A maioria dos casos de diarreia aguda resolve-se em alguns dias, apenas necessitando de tratamento se os sinais se manterem.

Ao aumentar a motilidade intestinal, a diarreia pode causar intusceção intestinal. Em perdas excessivas de proteínas, poderá haver perda de líquido para as cavidades corporais com ascite e edema.

Algumas infeções intestinais, como o Campylobacter ou a Giardia, podem ser transmissíveis ao homem, por isso recomenda-se cuidados redobrados nos casos de diarreia infeciosa.

O prognóstico na diarreia crónica depende da sua causa e nem sempre é possível uma resolução completa, mesmo com o tratamento apropriado.

A resolução dos casos de diarreia crónica é gradual e se não se resolvem poderão necessitar de um novo diagnóstico.

Prevenção da diarreia em cãe e gatos

Para os donos que se preocupam com casos de diarreia do seu animal, sugerimos as seguintes dicas:

  • Mantenha a dieta consistente, faça as mudanças de dieta forma progressiva para que o animal se adapte;
  • Escolha uma boa dieta pois dietas com baixa digestibilidade e elevada quantidade de gorduras podem originar diarreia;
  • Evite o stress e outros fatores psicológicos que possam perturbar o cão ou gato;
  • Evite dar alimentos aos quais os animais são intolerantes, como os lacticínios;
  • Vacine os animais contra agentes infeciosos que possam causar diarreia, como o parvovirus;
  • Desparasite frequente para evitar o parasitismo intestinal (a cada três meses para animais que tenham acesso ao exterior);
  • Evite o contacto e ingestão de lixo, tóxicos (como plantas tóxicas) e objetos que possam ser ingeridos.


Perguntas frequentes sobre diarreia em cães e gatos

Como tratar um gato com diarreia?

O tratamento da diarreia depende do tipo de diarreia (aguda ou crónica) e da sua causa (ver Tratamento). Em diarreias agudas, tratar os seus sinais (tratamento de suporte) e restringir a ingestão de alimento poderá ser suficiente para a tratar. Já a diarreia crónica tem um tratamento mais complexo.

 

Como alimentar um gato com diarreia? Qual é a melhor ração para gatos com diarreia? O que dar de comer a gatos com diarreia?

Nos casos de diarreia aguda, deverá fazer-se jejum de 24 a 48 horas com introdução de alimentos leves, como frango cozido com arroz. A alimentação de gatos com diarreia crónica também deverá ser de elevada digestibilidade e com baixo teor em gorduras.

 

É normal o filhote de gato estar com diarreia após vermífugo?

Sim, pode dever-se à reação dos parasitas no interior do intestino que o irritaram e causam diarreia por aumento da motilidade.

 

Gato ou cachorro com diarreia pode tomar vermífugo?

Sim, o vermífugo (ou desparasitante interno) até é por vezes recomendado pelo médico veterinário nos casos de diarreia. A presença de vermes (ou parasitas intestinais) no intestino pode estar na causa da diarreia por provocarem irritação. Esta causa é muito frequente em animais jovens, como filhotes de cães e gatos.

 

O leite pode provocar diarreia em gatos?

Sim, os gatos são intolerantes à lactose, que está presente no leite. A lactose não causa irritação, mas não é digerida e atrai a água para o intestino causando diarreia.

 

O que fazer a um cachorro com diarreia com sangue?

Deverá levar o cachorro ao médico veterinário pois necessita de um diagnóstico e tratamento apropriado. Não há nada que possa ser feito em casa.

 

Cachorro com diarreia pode tomar leite?

Não, a ingestão de lacticínios não é recomendada nos cães e gatos pois são intolerantes (não digerem) à lactose. O leite também não tem efeito protetor contra a maioria das intoxicações que podem ocorrer nos cães e gatos.

 

Cachorro com diarreia pode tomar banho?

Sim.

 

Cachorro está com diarreia preta?

A cor negra das fezes pode indicar a presença de sangue digerido. É necessário o diagnóstico e tratamento por um médico veterinário.

 

Probióticos para cachorro com diarreia?

Por vezes poderão ser recomendados probióticos, bactérias benéficas, para recolonizar e regularizar o intestino. Estes são especialmente importantes em casos de sobrecrescimento bacteriano ou na administração prolongada de antibióticos.

 

Remédios ou medicamentos a dar para cão com diarreia?

Não deverá fazer qualquer administração de medicamentos sem receita médica. Alguns medicamentos, como antidiarreicos, ainda poderão piorar os sintomas. Em casos de diarreia aguda, esperar em jejum poderá ser o suficiente para a cura.

 

Como hidratar cão com diarreia?

Mantenha sempre água fresca à disposição e forneça alimentos húmidos. Em casos graves de desidratação, o animal poderá necessitar de fluidoterapia por um profissional.