Quais os benefícios do comedouro elevado para gatos?

0

Os comedouros elevados para gatos são vendidos sob o pretexto de melhorar a saúde e bem-estar dos felinos. Mas será que há evidências de que estes comedouros realmente são benéficos para os nossos gatos?

Benefícios dos comedouros elevados para gatos

Os comedouros e bebedouros elevados para gatos são taças normais vendidas com um suporte que as tornam mais elevadas. A altura do comedouro elevado para gatos deve estar à altura do peito do gato. Alega-se que estes comedouros altos evitem o desconforto felino. Ao utilizá-los, o gato não precisa de se baixar e o estômago fica em posição superior ao do esófago. Pensa-se que comedouros baixos possam estar na origem de refluxo e vómitos.

No entanto, não há evidências que realmente haja benefício para a saúde e bem-estar em gatos saudáveis. Nos cães, certas raças foram criadas com abdómens profundos que facilitam a dilatação e torção gástrica (ex. Dobermann, Grand Danois). Em casos de risco, nos cães utilizam-se comedouros elevados. No entanto, nos gatos não houve uma pressão seletiva tão intensa e por isso não se gerou o risco de torção.

Os gatos são produto da sua domesticação voluntária ao aproximarem-se de povoados humanos ricos em presas, como os ratos. O instinto caçador ainda está presente nos nossos felinos domésticos. Quando capturam as suas presas ingerem-nas diretamente do solo, numa posição semelhante à dos comedouros colocados no chão. O esófago é um tubo musculado e capaz de propulsionar o alimento até ao estômago, mesmo nas posições mais improváveis.

No entanto não podemos argumentar sobre as preferências dos gatos. O ideal seria num estudo controlado apresentar a vários gatos a mesma refeição variando-se a posição dos comedouros. Até lá, não podemos afirmar com confiança de que os comedouros elevados são benéficos ou preferidos pelos gatos. Mas também não poderemos afirmar o contrário.

Os comedouros elevados poderão tornar-se negativos quando põem em causa a utilização de puzzles ou comedouros interativos, parte do enriquecimento ambiental. Este tipo de comedouros comprovadamente melhora o bem-estar do animal ao envolver as suas capacidades mentais e físicas.

Quando se devem utilizar os comedouros altos para gatos?

Os comedouros elevados estão recomendados em casos de gatos que sofram de osteoartrite, o que é especialmente comum em gatos seniores. Nestes casos, os comedouros deverão ser de fácil acesso ao nível do chão ou através de rampas. O uso de comedouros altos é recomendado em gatos com problema articulares para reduzir o desconforto e dor durante a alimentação. Em gatos com osteoartrite, elevar as taças da água e comida em cerca de 5 a 10 cm poderá reduzir o desconforto nas patas da frente.

O megaesófago é uma patologia com perda de motilidade do esófago que poder afetar os gatos. Nestes casos a utilização de comedouros elevados poderá ajudar o alimento a chegar ao estômago através da gravidade. Assim, em casos de megaesófago, os comedouros altos podem ajudar a reduzir o refluxo gástrico, em conjunto com a medicação. O comedouro elevado para gatos poderá ser obtido comercialmente ou feito em casa colocando sobre caixas plásticas.

Usar ou não usar comedouros elevados para gatos?

Não há evidencias a favor ou contra o uso de comedouros elevados para gatos em animais saudáveis. Em casos de osteoartrite ou megaesófago, estes poderão ser recomendados de forma a minorar o desconforto inerente a estas patologias. Logo, torna-se uma opção pessoal utilizar ou não comedouros altos para gatos com forma de alimentar o seu felino.

Referências:
Laflamme and Gunn-Moore 2014
Durocher et al. 2009

Artigo anteriorDermatite por lambedura acral em cães e gatos
Próximo artigoPerguntas frequentes sobre Alimentação de Cães e Gatos
Joana C. Prata, Msc., tem um mestrado em Medicina Veterinária pela Universidade do Porto e é fundadora d’O Meu Animal. Sempre viveu rodeada de animais, tendo agora como companheiros dois gatos (a Rita e o Romeu), três cadelas (a Kami, a Inês e a Pota), uma tartaruga (o Nicholas) e uma colónia com cerca de dez gatos. Neste momento faz investigação na Universidade de Aveiro, como aluna de doutoramento e bolseira em Biologia e Ecologia das Alterações Globais, onde tenta identificar fatores ambientais que possam ter impacto na saúde humana, animal e dos ecossistemas.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor introduza o seu comentário
Por favor introduza o seu nome aqui