Catarata em cachorros e gatos: o que fazer?

A catarata em cachorros é semelhante à catarata em gatos: consiste na opacidade da lente, uma estrutura no interior do olho. Mas sabe o que está na origem desta patologia que poderá resultar em cegueira?

 

O que é a catarata em cães e gatos?

Dentro de cada olho, por trás da iris, existe uma estrutura transparente chamada lente (ou cristalino). A lente tem como função focar a luz na retina, a parte de trás do olho capaz de converter os sinais de luz em sinais nervosos que serão interpretados pelo cérebro. As cataratas são opacidades da lente que impede a passagem de luz para a retina, progressivamente causando cegueira. Poderão ocorrer tanto em cães como em gatos, tal como ocorre no humano.

Quais são as causas de catarata canina e felina?

Os principais factores envolvidos nas cataratas de cães e gatos são a genética, defeitos congénitos no olho, inflamação e degeneração do olho ou doenças metabólicas. Assim, as cataratas nos animais de companhia podem ter várias origens:

  • Hereditárias quando são transmitidas com a informação genética;
  • Diabetes melitus por alteração da estrutura da lente;
  • Traumatismo ou luxação da lente;
  • Por idade de forma espontânea;
  • Resposta a químicos tóxicos (naftaleno, dinitrofenol, dialdeídos);
  • Devido à inflamação do olho (uveíte);
  • Por má nutrição (leite de substituição);
  • Baixos níveis de cálcio (hipocalcemia) durante a insuficiência renal ou hipoparatiroidismo;
  • Radiação e choque eléctrico.

 

Causas Hereditárias

A maioria das cataratas são hereditárias devido à transmissão de um gene autossómico recessivo e, em algumas raças, de um gene dominante. Em cães, podem estar presentes no nascimento – cataratas congénitas – ou desenvolver-se em qualquer idade – cataratas adquiridas. Em gatos, as cataratas hereditárias normalmente são congénitas.

Existem inúmeras raças de cães afectadas por cataratas. A catarata em cachorro Poodle, American Cocker Spaniels, Schnauzers Miniaturas é mais frequente. Outras raças afectadas são os Golden Retrievers, Boston Terriers e Huskies Siberianos. Em gatos, as raças Persa, Birman e Himalais são as mais afectadas.

 

Diabetes em cães e cataratas

A desregulação da glicemia (níveis de açucar no sangue) durante a diabetes melitus pode estar na causa de cataratas, predispondo estes animais. O sorbitol e frutose são açucares que durante a diabetes se podem acumular na lente. Estes açucares têm poder osmótico, atraindo liquídos para o interior da lente provocando o seu inchaço e posterior lesão das fibras que constituem a lente, originando cataratas.

A progressão da catarata em animais diabeticos poderá ser rápida e irreversivel. Nestes casos poderá ser necessária a cirurgia para catarata canina para remoção da lente, estando o sucesso da cirurgia dependente do controlo da glicemia e presença de outras doenças oftalmologicas (doença retinal e uveíte). Idealmente, o estado de integridade da retina deverá ser avaliado antes da cirurgia através de electroretinografia. Se a retina se revelar irresponsiva, a cirurgia poderá ser desnecessária.

 

Como saber se o meu cão ou gato sofrem de cataratas: sinais a observar.

De forma a procurar cuidados médicos precocemente, deverá saber identificar os sinais de catarata nos seus animais de companhia. Estes sinais estão relacionados com a opacidade da lente que se revela como um olho esbranquiçado no interior e perda de visão. Sendo assim, poderá procurar os seguintes sinais:

  • Opacidade do interior do olho, na lente;
  • Olho enublado;
  • Outras patologias oculares: degeneração da retina caracterizada por perda de visão nocturna em cães, uveíte anterior;
  • Perda de visão.

Na catarata no olho do cachorro e gato, os sinais observados  podem deperder da progressão da catarata. Por isso, existem diferentes classificações para as cataratas dependendo da sua progressão:

  • Catarata Incipiente: menos de 15% de opacificações na lente e visão intacta;
  • Catarata Imatura: opacificação intermédia e perda de visão à noite;
  • Catarata Matura: opacidade envolve toda a lente, perda de visão;
  • Catarata Hipermatura: a lente começa a desfazer-se causando inflamação (uveíte) e glaucoma.

 

Diagnóstico de cataratas em animais

O diagnóstico de catarata é simples e envolve à observação do olho do cão ou gato directa e utilizando um oftalmoloscópio. A catarata deverá ser distinguida da esclerose nuclear da lente que ocorre naturalmente em cães idosos. Na esclerose núclear, cães a partir dos 7 anos têm uma degeneração e compressão das fibras da lente, gerando uma aparência branca mas permitindo a visualização do fundo do olho e manutenção da visão.

 

 

Tratamento da catarata canina e felina

Após a suspeita ou diagnóstico de catarata em cães deve perguntar-se: como tratar a catarata em cachorros? a catarata em cachorro tem cura? A resposta é que o tratamento com mais sucesso é a cirurgia de catarata para cães e gatos, enquanto que os tratamentos com colírios têm ainda baixa taxa de sucesso. Após dignóstico, a catarata deverá ser tratada rapidamente para evitar progressão. O cão poderá recuperar a visão removendo a lente opaca cirurgicamente. A necessidade de hospitalização é rara, mas poderá ser necessária se o cão for sujeito a cirurgia.

 

Cirurgia para catarata em cães

A cirurgia para catarata em cães e gatos é o único tratamento definitivo e poderá ser necessário para extracção da lente, principalmente quando acompanhada de luxação da lente. A cirurgia poderá ser por facoemulsificação através de vibrações com ultrassons que fragmentam e removem a lente. Este é o procedimento preferencial e com uma taxa de sucesso acima de 90%, dependendo da progressão da catarata e alterações no olho. Poderá ainda ser implantada uma lente que permita recuperar a visão ao perto.

 

Colírio em cataratas em cães

Algumas medicações utilizadas no tratamento da catarata incluem a prednisolona para controlo a inflamação e aplicação de colírios em cachorros para a catarata. Colírios para cataratas de cães e gatos prometem reduzir a opacidade da lente, mas a sua eficácia ainda está por ser comprovada. Em cataratas imaturas pode ser utilizada atropina tópica três vezes por semana.

 

Prognóstico e seguimento

As cataratas requerem uma monitorização severa dos pacientes para avaliar a sua progressão. O seguimento é especialmente importante em casos hereditários, em que a catarata poderá progredir rapidamente. Por outro lado, poderá haver progressão para catarata hipermatura com fragmentação da lente e inflamação do interior do olho (uveíte) e aumento da pressão do olho (glaucoma).

A progressão da catarata depende da idade, causa e localização da catarata na lente. Quando provocadas por diabetes têm uma evolução rápida. Por outro lado, cirurgia de cataratas provocadas por diabetes ou com causa hereditária tem óptimo prognóstico. Outras causas terão prognósticos variáveis, sendo que o sucesso depende da cirurgia precoce quando indicada. Quando o animal é cego dos dois olhos deverá ser feita a cirurgia imediatamente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *