Raça de cães portuguesa: 11 raças de Portugal

Os cães de raça portuguesa são raças antigas e rusticas, tendo sido utilizadas na pastorícia e caça, o que levou à sua preservação genética. As raças portuguesas, ou autóctones de Portugal, são também reconhecidas como excelentes cães de companhia por serem inteligentes, dóceis, e fáceis de lidar. A raça portuguesa mais reconhecida internacionalmente é o Cão de Água Portuguesa, encarnado em Bo, o companheiro de Obama, o antigo Presidente do Estados Unidos.

Na Federação Cinológica Internacional (FCI), organismo que se encarrega de reger e fomentar a cinologia em todo o mundo, Portugal tem atualmente oito raças reconhecidas e devidamente documentadas. No entanto, no Clube Português de Canicultura, entidade cinológica nacional reconhecida pela FCI e encarregue por gerir os Livros de Origens Portugueses (LOP), temos atualmente onze raças de origem portuguesa reconhecidas:

  1. Cão da Serra de Aires
  2. Cão de Fila de São Miguel
  3. Cão da Serra da Estrela
  4. Cão de Castro Laboreiro
  5. Rafeiro do Alentejo
  6. Podengo Português
  7. Perdigueiro Português
  8. Cão de Água Português
  9. Barbado da Terceira
  10. Cão de Gado Transmontano
  11. Cão do Barrocal Algarvio

Cão da Serra de Aires

O cão da Serra de Aires é um cão de companhia e de guarda ativo, brincalhão, inteligente, vigilante, reservado, e companheiro de tamanho médio (11 – 30 kg). É originário de cães pastores da Serra d`Aires em Monforte, no Alentejo. As suas expressões conferem-lhe a alcunha de “cão macaco“.  Necessita de exercício físico, sendo ágil e rápido. Tem um pelo comprido áspero liso ou ondulado e sem subpelo (único nos cães pastores) que deve ser escovado uma vez por semana.

Cão de Fila de São Miguel

O cão de Fila de São Miguel é um cão de guarda de tamanho médio (20 – 35 kg) com temperamento dominante, independente, e inteligente, que aliado à sua robustez física requer um cuidador experiente. É fiel e protetor mas pode ser desconfiado de estranhos. Tem um aspeto musculado e rústico, de pelagem densa e raiada. Tem origem em cães pastores da Ilha de São Miguel nos Açores, sendo conhecido como “cão vaca“. É utilizado pelas forças de segurança públicas como elemento de equipas cinotécnicas.

Cão da Serra da Estrela

O cão da Serra da Estrela é um mastim de tamanho grande (35 – 60 kg) corajoso e inseparável do pastor. Tem origem em cães pastores na Serra da Estrela, também utilizados como cães de tração. É meigo com a família mas pode ser territorial, dominante, e desconfiado de estranhos. É independente e que requer exercício e espaço. O pelo comprido requer escovagens regulares. É a raça portuguesa mais internacional e com mais registos no Clube Português de Canicultura.

Cão de Castro Laboreiro

O cão de Castro Laboreiro tem um porte médio (25 – 40 kg), sendo rústico e de pelo curto com origem em Castro Laboreiro, Melgaço. É um bom cão de guarda, leal com a família e desconfiado com estranhos. Tem um ladrar de alerta característico, com transição de tons graves para agudos. Foi utilizado como cão policia e militar no Corpo de Fuzileiro, como cão-guia, e foi Campeão do Mundo de Agility em 1990.

Rafeiro do Alentejo

O Rafeiro do Alentejo é um cão de grande porte (35 – 60 kg) rústico sendo mais comprido do que alto. É um excecional cão de guarda, sendo territorial, protegendo rebanhos no Alentejo. É calmo e dócil com a família, mas pouco sociável com outros animais. Tem uma maturação tardia, só atingindo a idade adulta aos 4 anos. Apenas existem 200 a 500 animais, sendo uma raça em recuperação. Tem um temperamento teimoso e dominante, requerendo um bom plano de treino.

Podengo Português

O Podendo Português apresentar-se em três tamanhos (pequeno, médio, grande) e de pelagem lisa ou cerdosa. É um sociável e ágil, sendo um bom cão de companhia para famílias e adaptando-se a viver dentro de casa. Não gosta de ficar sozinho e é muito ativo. É um caçador nato, conhecido como “cão de tapada” na caça do coelho e tendo servindo como rateiro (caçador de ratos) nas caravelas, podendo perseguir animais pequenos (ex. hamsters). Já foi estrela em vários filmes e séries televisivas americanas.

Perdigueiro Português

O Perdigueiro Português é cão de família meiga, afetuoso, sociável. Tem uma grande resistência, sendo de porte médio (16 – 27 kg). Tem um corpo robusto mas de movimentos leves, e pelagem curta e cerrada.  A raça era utilizada na caça da perdiz, que lhe confere o nome. Pode ser relutante quanto a outros cães que não conheça. É um cão muito energético, necessitando de passeio diários e exercício físico. É ideal para famílias com crianças e adapta-se bem à vida citadina.

Cão de Água Português

O cão de Água Português é um cão de companhia de porte médio (16 – 25 kg) ativo e inteligente que apresenta um pelo longo ondulado e espesso (hipoalergénico). A raça originou-se na pesca no Algarve. É um exímio nadador e apresenta uma corrida energética e galopante. Quando mergulha consegue fechar as narinas e travar a respiração. É um cão que obedece facilmente às ordens, mas o pelo requer cuidados e requer companhia. Foi mascote da Casa Branca Americana e considerada a raça mais rara do mundo no Livro do Guinness de 1981.

Barbado da Terceira

O cão Barbado da Terceira é um ótimo cão de companhia e de guarda, de porte médio (21 – 30 kg) e pelagem comprida e ondulada. É conhecido pelo seu instinto de proteção e capacidade de aprendizagem. A raça evolui na Ilha Terceira, Açores, a partir de cães trazidos pelos povoados e utilizados na pastorícia. Recebe o seu nome devido à sua característica “barba”. É um cão musculado e extremamente ágil. É uma raça muito ativa que necessita de passeios regulares.

Cão de Gado Transmontano

O cão de Gado Transmontano é um cão de porte grande (50 – 75 kg) rústico e imponente, mas energético e de pelo liso e denso. Tem um temperamento dócil, calmo, e reservado, sendo muito meigo. Tinha como função guardar rebanhos contra o ataque dos lobos na região de Trás-os-Montes. Requer muito espaço exterior, estando habituado a campos íngremes e temperaturas baixas. É a raça portuguesa com maior estatura e corpulência.

Cão do Barrocal Algarvio

O cão do Barrocal Algarvio é um cão de porte médio (15 – 25 kg) rústico, energético e ágil, de pelo médio liso. Apresenta a característica cauda em caracol (em cimitarra). É um cão de caça, muito rápido e resistente. É um bom cão de família por ser inteligente, vivaz, meigo, e brincalhão. A raça originou-se no Barrocal Algarvio (nas elevações calcárias – barrocos), tendo estado quase extinta nos anos 60. Já foi identificado localmente por cão “abandeirado”, “fraldado”, “felpudo”, ou “gadelhudo”, devido ao seu porte, pelo, e cauda.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.