Como cortar unhas do gato e fazer usar o arranhador

1

Arranhar é um comportamento natural do gato e visa a preservação da saúde da unha. É necessário que o dono saiba como educar e tratar o gato de forma a mante-las saudáveis.

Quantas unhas tem um gato?

Um gato tem 18 unhas: as patas anteriores têm 5 unhas e as patas posteriores têm 4 unhas.

Porque é que os gatos arranham?

Os gatos são caçadores inatos. As unhas afiadas ajudam-nos a apanhar a presa. Por outro lado são uma forma de defesa podendo atacar com as unhas ou fugir trepando a árvores. Ainda proporcionam fricção enquanto andam e saltam.

gato caçando rato, para que serve unha de gato

Arranhar faz parte do comportamento natural dos gatos. É um mecanismo utilizado para marcar território ou por prazer. Quando arranham, glândulas sudoríparas entre as almofadas plantares libertam feromonas e marcam o local.

Os gatos também arranham quando se espreguiçam: esticam o corpo ao máximo e arranham, arqueando o corpo. O arranhar permite libertar a parte desgastada das unhas. As unhas são tão importantes que são mantidas retraídas para evitar o seu desgaste desnecessário.

Os gatinhos bebés não conseguem retrair as unhas. Isto pode levar que sejamos arranhados enquanto brincamos com eles ou que arranhem a mobília. A partir dos três a quatro meses conseguem retrair as unhas. Nesse momento devem ser ensinados a não nos arranhar durante as brincadeiras. Nesta altura também começam a arranhar como marcação de território.

Como escolher o arranhador?

O arranhador (poste de arranhar) deve ser uma superfície vertical de alcatifa e sisal. O seu comprimento deve ser suficiente para que o gato se consiga esticar por completo para arranhar.

Onde colocar o arranhador?

O arranhar é uma marcação de território, por isso será mais eficaz em zonas movimentadas. Coloque o arranhador em locais onde passa mais tempo ou que tenham mais movimento, como a sala ou a entrada. Postes em locais remotos não serão utilizados porque não valem a pena ser marcados.

Como treinar o gato a usar o arranhador?

Deveremos orientar o gato para arranhar o arranhador. Isto poderá ser conseguido através da utilização de vários postes de arranhar, empregando-os com erva gateira ou estimulando a sua utilização durante as brincadeiras. Se vir o gato a utilizar o poste deve recompensá-lo, dando-lhe mimos ou uma guloseima.

Como evitar que o gato arranhe o sofã ou a mobilia?

O ideal é tentar prevenir estes comportamentos através do treino para utilizar o poste de arranhar (seguindo as dicas anteriores). Para evitar que continue a utilizar o mobiliário, cubra-o com materiais desagradáveis. Poderá cobri-los com passadeiras, alumínio, toalhas molhadas ou fita-cola de dupla face.

Locais pouco frequentados poderão ser limpos com produtos de limpeza biológicos, não tóxicos para o gato. A utilização de outros produtos de limpeza, como lixívia, amoníaco, naftalina e vaselina poderão estimular o interesse em arranhar.

Poderá também utilizar uma pistola de água para o afastar quando apanhado em flagrante. No entanto este método poderá causar aversão à água e complicar os banhos.

Porque é necessário cortar as unhas aos gatos?

A unha está ligada à falange distal e é formada pelo sabugo e queratina. Queratina é a parte exterior, dura e que se vai renovando e gastando. O sabugo é a parte interior, onde estão os vasos e os nervos, visivel como uma zona rosa na unha.

anatomia-unha-gato

No gatos domésticos é necessário cortar as unhas. As unhas de gatos de interior não sofrem tanto desgaste diário. O desgaste no exterior ocorre quando trepam e mesmo ao andar em superfícies mais rugosas. É importante cortar as unhas com frequência para evitar arranhões. Quando estão muito compridas também podem deixar o gato com a unha “presa” ao brinquedo ou tecido.

Como cortar as unhas aos gatos?

Para cortar unhas de gato pode utilizar-se corta-unhas normais, um cortador de unha de gatos ou tesouras de unha de gato. Produtos para animais são de mais fácil utilização, mas pode usar um corta-unhas normal.

Deixe o gato numa posição confortável, como deitado no seu colo. Com a sua mão não dominante segure levemente a pata e pressione para a unha deixar de estar retraída. Examine a unha à luz e determine onde se encontra o sabugo, uma zona rosa na unha. É muito importante não cortar o sabugo. É lá que estão os vasos sanguíneos e os nervos. Ao cortar o sabugo causa grande dor e hemorragia.

Como cortar as unhas ao gato:

  • Relaxe o gato
  • Exteriorize a unha
  • Localize o sabugo
  • Corte a ponta da unha

É preferível cortar só a ponta, bem longe do sabugo, e repetir com mais frequência o processo. Quando corta a ponta vai favorecer a retracção do sabugo e facilitar o próximo corte. Se tiver dúvidas peça ao seu veterinário para lhe demonstrar.

Alguns gatos levam algum tempo a habituar-se ao novo tamanho das unhas. Nas horas seguintes deverá ter atenção ao gato. As unhas das patas posteriores dão fricção quando o gato salta. Podem tentar saltar e não se ajustar à menor fricção e acabar caindo ou batendo no mobiliário.

Como treinar o gato para cortar as unhas?

Muitos gatos odeiam cortar as unhas, mesmo não os magoando. Tentar cortar na clínica veterinária pode ainda ser pior, porque o gato está assustado. O ideal é ir gradualmente habituando o gato até conseguir cortar as unhas em casa.

Começe por habituar o gato a ser tocado nas patas. Muitos não gostam porque as almofadinhas plantares são zonas muito sensíveis ao toque. Quando o gato estiver relaxado massaje-lhe as patas e dê-lhe mimos ou guloseimas com recompensas.

almofadas-plantares-gato

Três truques para cortar as unhas ao gato:

  • Permita o gato relaxar
  • Recompense sempre
  • Treine gradualmente:
    • toque as patas
    • massage as patas
    • corte a unha

Quando o gato estiver habituado às massagens, tente cortar. Se o gato for difícil, é melhor cortar só uma ou duas unhas e recompensar. Quando ele tolerar cortar essas, vai-se aumentando o número. Deve-se dar recompensas sempre que o gato se porta bem. Se começar a ficar impaciente é melhor não o forçar e dar a recompensa.

Repetindo este processo, lentamente consegue-se treinar o gato para cortar as unhas. Como qualquer treino, é um processo demorado e que exige dedicação.

corta-unha-para-gato

O que são os protectores de unhas de gatos?

Os protectores são capas que se colam às unhas e impedem o gato de arranhar. Inicialmente os gatos detestam-nos, mas acabam por se habituar. Os protectores devem ser substituídos quando as unhas crescem (a cada seis semanas) e por vezes são difíceis de aplicar.

protectores-de-unhas-gato

Os protectores de unhas para gatos deverão ser apenas utilizados em casos extremos. Quando não se consegue treinar o gato para arranhar o poste, depois de muitas tentativas, poderá considerar-se a sua aplicação. No entanto, a colocação da capa impede o comportamento natural de arranhar.

Remoção cirúrgica das unhas

Na ablação das unhas do gato (onicectomia), remove-se a falange distal durante a cirurgia sob o efeito da anestesia. Ou seja, na remoção de unhas de gato é removida a unha e o osso. O procedimento poderá ser feito da forma tradicional, com turquês e bisturi, ou com laser. O laser facilita a recuperação.

A partir desse momento, o gato não deverá sair de casa por ser incapaz de se defender. Esta cirurgia é por vezes recomendada em casos graves, onde não se consegue redireccionar o comportamento de arranhar.

No pós-operatório deverá utilizar-se areia macia pois pode aleijar a pata sensível. Deve evitar-se que o gato salte ou exercite muito pois coloca stress nas patas em recuperação. Esta cirurgia poderá causar problemas permanentes.

É frequente que os animais apresentem dor crónica por dano do nervo radial. A cirurgia em si é das mais dolorosas a que o gato pode ser sujeito. O osso pode ser mal cortado ficando estilhaçado ou a ficar mal feita e a unha crescer dentro da pata e formar um abcesso.

Desvantagens da remoção cirurgica de unhas:

    • Incapaz de se defender
    • Stress nas articulações e ossos
    • Abcessos e dor crónica
    • Fobia à caixa de areia
  • Mudança de personalidade

A falta das falanges distais vai causar stress noutras articulações e do corpo. Pode dar origem a artrite e problemas de coluna. Como não podem arranhar como defesa tendem a morder. É frequente ganharem fobia à caixa de areia por ser desconfortável nas patas doridas.

Arranhar é uma parte fundamental do comportamento felino. Removê-la por arranhar objectos indevidos seria o equivalente a removerem-nos as cordas vocais por não gostarem do que dizemos. Após remoção o gato pode sofrer uma mudança da sua personalidade.

Devido a todas estas desvantagens, a ablação da unha não é recomendada. Existem outras formas de resolver o problema de arranhar. Nos casos mais graves poderão utilizar se os protectores de unhas, como que unhas de gel ou silicone para gatos. Em Portugal esta cirurgia é proibida.

Outra cirurgia a que se recorre é a tenectomia. Nesta cirurgia corta-se o tendão flexor digital profundo entre a segunda e terceira falange. Este tendão é responsável por expor a unha e sem ele as unhas mantêm-se retraídas permanentemente. É necessário fazer uma manutenção regular destas unhas, que continuam a crescer sem desgaste algum.

Conclusão

Arranhar é um comportamento básico.

Não deverá ser suprimido.

Deverá ser redireccionado.

A arranhar é um comportamento natural e essencial para os felinos. Por este motivo não deverá ser inibido, mas sim redireccionado. A manutenção das unhas e treino persistente para utilização do poste de arranhar será suficiente para evitar que o seu gato arranhe a mobília. Em casos graves poderão utilizar-se as capas de silicone que se colocam como protectores de unhas.

Artigo anterior7 Ideias de Brinquedos para Gatos
Próximo artigo9 Dicas de Como Treinar Cães
Joana C. Prata, Msc., tem um mestrado em Medicina Veterinária pela Universidade do Porto e é fundadora d’O Meu Animal. Sempre viveu rodeada de animais, tendo agora como companheiros dois gatos (a Rita e o Romeu), três cadelas (a Kami, a Inês e a Pota), uma tartaruga (o Nicholas) e uma colónia com cerca de dez gatos. Neste momento faz investigação na Universidade de Aveiro, como aluna de doutoramento e bolseira em Biologia e Ecologia das Alterações Globais, onde tenta identificar fatores ambientais que possam ter impacto na saúde humana, animal e dos ecossistemas.

1 COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor introduza o seu comentário
Por favor introduza o seu nome aqui