Dicas sobre unhas de silicone para gatos

As unhas de silicone para gatos são capas que cobrem as unhas dos gatos. Prometem revolucionar a vida dos donos.

É promissor. No entanto a sua utilização pode ter consequências.

Tem vantagens, como proteger o dono e a mobília dos arranhões. Mas também tem desvantagens, como impedir o gato de se defender naturalmente.

unhas de silicone para gatos

O que são unhas de silicone para gatos?

Consistem em capas para as unhas de gato em borracha, gel, silicone ou vinil. A capa cobre a unha do gato impedindo-o de provocar danos ao arranhar sem inibir o comportamento.  São uma alternativa mais ética à remoção cirúrgica das unhas.

Onde encontrar unhas de silicone para gatos?

Pode comprar em lojas de animais ou sites da especialidade. Também as poderá colocar na clinica veterinária. Os kits para aplicação doméstica incluem as capas de silicone e a cola. O preço das unhas de silicone para gatos rondam os 3 a 17€ em Portugal (R$ 17-25 no Brasil).

Quando comprar tenha atenção ao tamanho da unha de silicone. O seu comprimento e largura devem-se ajustar perfeitamente à unha  do gato. Normalmente são comercializadas por tamanhos (S, M, L) dependendo do peso do animal e por cores. Uma marca famosa é a Soft Claws.

Como colocar as capas de silicone para unhas de gato?

A aplicação é simples, consiste no preenchimento da capa com cola e aplicação sobre a unha do gato. Pode fazer este processo em casa ou na clinica veterinária. Para facilitar a aplicação siga os seguintes passos:

  1. A ponta da unha do gato deve ser cortada. O ideal será fazer isto no dia anterior para evitar provocar stress.
  2. Peça ajuda a alguém que segure e relaxe o gato enquanto você coloca a capa. É importante ter muita calma na aplicação para evitar espalhar cola.
  3. Primeiro limpe a unha do gato com álcool para facilitar a adesão da cola. Pode não o fazer se incomodar o gato.
  4. Preencha a capa com um terço de cola.
  5. Estenda a unha do gato pressionando suavemente entre os seus dedos e deslize a capa de silicone sobre esta.
  6. Remova o excesso de cola para evitar colar-se ao pelo e patas.
  7. A cola seca rápido, mas por segurança mantenha o gato quieto no seu colo por 5 minutos para secar totalmente.
  8. No final da aplicação dê uma recompensa, como guloseimas. Associar a colocação das unhas de silicone a um estimulo positivo facilita o processo. Por outro lado distrai o gato do novo acessório.
  9. Verifique semanalmente o estado da unha. Com o seu crescimento natural enrola e pode magoar as almofadas plantares. Também podem cair ou encontrar-se danificadas, necessitando de ser substituidas.

É natural que o gato necessite de um período de adaptação ao acessório. A maioria dos animais tolera a presença da unha postiça. Em alguns animais poderá ser apenas necessário colocar nas patas da frente.

As unhas de silicone duram normalmente 4 a 6 semanas. Em gatos mais activos podem durar apenas 2 semanas. Há relatos de gatos que as conseguiram arrancar com a boca logo após a colocação.

Quando são engolidas não são tóxicas e saem nas fezes. Quando a unha do gato cresce, destaca-se uma película. As capas caem com este crescimento natural das unhas. Durante a sua utilização sofrem desgaste, podendo ter que ser substituídas.

Se a unha e capa não caírem sozinhas pode ser necessário intervir. Corte a ponta da unha de silicone, quebrando o selo de cola. Isto permite que a unha caia naturalmente.

Vantagens das unhas de silicone para gatos

O protector de unhas de silicone funciona para alguns animais. Após o período de adaptação, tornam-se aliados eficazes na protecção do mobiliário e do dono. Nas suas vantagens, enumeram-se as seguintes:

  • Impede que o arranhar provoque estragos na mobilia;
  • Protege a pele do dono e familia das garras do gato;
  • Comercializadas como seguras, indolores e não tóxicas;
  • Impedem o animal de arranhar os companheiros;
  • Podem substituir o colar isabelino impedindo que o animal se arranhe;
  • Mais fácil que treinar a utilizar o arranhador;
  • Permite que o gato continue a arranhar sem provocar estragos;
  • Não são permanentes;
  • Sem necessidade de cirurgia de remoção de unhas e consequentes danos neurológicos;
  • Não alteram a locomoção nem a retracção das unhas;
  • Permite-lhe coçar naturalmente;
  • Ingestão não constitui um problema.

Desvantagens das unhas de silicone para gatos

As unhas têm um papel fundamental na vida do gato. Permitem trepar e defender-se. Por isso muitos especialistas defendem que as unhas de silicone para gatos fazem mal ao animal. Alguns animais sofrem com as seguintes complicações:

  • Impedem de utilizar as unhas como defesa;
  • Alteraram a posição das patas;
  • O arranhar é um comportamento importante para o gato e que lhe dá prazer;
  • Podem impedir retracção das unhas;
  • Impedem o gato de trepar, travar e ter tracção em superficies escorregadias;
  • Causam dor;
  • Os gatos podem remove-las e ingeri-las;
  • Impedem o coçar e limpeza natural do gato;
  • Alergias decorrentes da cola;
  • Inflamação da pele;
  • Dermatite causada pela acumulação de detritos sob a unha;
  • Aplicação errada pode colar o pelo e patas;
  • A unha pode não cair naturalmente;
  • Nem sempre são aceites pelos animais;
  • Podem partir as falanges ao saltar e ter as unhas exteriorizadas.

Muitas destas complicações decorrem da má colocação. A aplicação destas unhas pode impedir o gato de escapar ao perigo. Logo deverão ser evitadas em gatos que tenham acesso ao exterior.

Conclusão

Quando o gato arranha deve inicialmente cortar-se as unhas e treiná-lo a usar o poste de arranhar. Quando todas as tentativas falham, o dono pode considerar colocar unhas de silicone. Estas apresentam vantagens e desvantagens que só o dono pode pesar. As unhas de silicone para gatos resolvem o problema instantaneamente e sem grandes complicações. Deverão ser preferidas à cirurgia de remoção de unhas.

 

Já experimentou as capas de unhas para gatos? Conte-nos a sua experiência nos comentários.

 

Referência:

Swidersky J (2002) "Onychectomy and its alternatives in the feline patient" Clinical Techniques in Small Animal Practice 17-4, 158-161

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *