Ração hipoalergénica para cães e gatos

O seu gato ou cão sofrem de alergia alimentar?

Procura uma ração hipoalergénica?

Quer saber qual é a ração ideal para o diagnóstico e o tratamento?

Fique a saber tudo sobre as rações hipoalergénicas para cães e gatos.

O que são Reacções Adversas aos Alimentos?

Alguns alimentos poderão causar efeitos adversos nos animais. Isto poderá ocorrer por intolerância alimentar, uma reacção a compostos naturais da alimentação, ou através de uma alergia alimentar, causada pela reacção do sistema imune a um alergénio de um ingrediente.

O aparecimento de reacções adversas aos alimentos ainda parece relacionar-se com a incidencia de dermatite atópica.

Um animal poderá tornar-se alérgico a um ingrediente mesmo que tenha estado exposto a este durante anos. A manifestação mais comum é dematológica: inflamação e prurido.

 

O que é a Hipersensibilidade a Alimentos?

Os antigénios mais comuns nos alimentos envolvem proteínas e seus derivados (glicoproteínas, lipoproteínas). Qualquer proteina tem potencial de se tornar alergénio. No entanto, a passagem da proteina na mucosa intestinal é necessária para a produção da imunoglobulina IgE percursora da reacção alérgica.

Os alergénios mais comuns incluem os ingredinentes mais frequentemente usados nas rações de animais de companhia:

  • Vaca;
  • Soja;
  • Lacticíneos;
  • Trigo;
  • Porco;
  • Galinha;
  • Milho;
  • Cavalo;
  • Ovo;
  • Peixe.

O processo de produção da ração poderá potenciar a alergia. O aquecimento durante a produção poderá danificar as proteínas tornando-as mais ofensivas para o organismo. O contrário também poderá ocorrer. Assim poderão ser a causa da alergia alimentar canina e felina.

 

Ração de Diagnóstico de Alergia Alimentar

O diagnóstico deve comprovar uma alergia de origem alimentar. Para isso, altera-se a dieta do animal. Primeiro faz-se a restrição do que o animal come para se observar melhoras (dieta de eliminação). Segue-se a confirmação da alergia quando se re-introduz a dieta incial. Por último, mantém-se o animal numa ração hipoalergénica e introduz-se os ingredientes um a um para identificar os adversos.

 

  1. Dieta de eliminação
    Introduz-se ao longo de 4 dias a dieta de eliminação. Esta consiste em fornecer apenas uma fonte de carbohidratos (ex. arroz) e uma fonte de proteína (ex. coelho). O cão ou gato nunca deverá ter estado exposto a estas fontes para reduzir a probabilidade de também ser alérgico a estas. Se sofrer de alergia alimentar, deverá melhorar dentro de 3 a 10 semanas.
  2. Confirmação da alergia à dieta original
    Introduz-se a dieta original para ver se gera alergia nos dias seguintes. Se produzir novamente efeitos de alergia alimentar, como o prurido, confirma-se o diagnóstico.
  3. Teste de provocação
    Permite identificar o ingrediente a que o animal é alergico. Faz-se a dieta de eliminação e adiciona-se ingredientes um a um, começando pelos alergénios mais comuns: vaca, soja e lacticíneos. Cada ingrediente é introduzido individualmente durante 15 dias para se observar a reacção.

 

A alergia alimentar em cães e gatos pode resultar de mais do que um ingrediente. Portanto, estes testes devem ser feitos a vários ingrediente. O ideal é testar os ingredientes mais frequentes nas rações comerciais. Isto torna a fase do Teste de Provocação prolongada e difícil para o dono.

Por vezes, os donos optam por não realizar o Teste de Provocação para identificar o alergénio. Ao verem as melhorias durante a Dieta de Eliminação ficam relutantes em induzir novamente a alergia. Optam por continuar uma dieta à qual o animal não apresente sintomas.

No entanto, apenas alternar entre rações nunca resolverá a alergia alimentar. Isto porque a maiora dos ingredientes são comuns entre as várias rações comerciais. É necessário procurar rações para cães e gatos com alergia alimentar sob indicação do médico veterinário.

 

 

Como fazer a Dieta de Eliminação?

A dieta de eliminação é constituída por apenas uma fonte de proteína e uma fonte de carbohidratos. Um exemplo é arroz com coelho. As fontes de proteína e carbohidratos deverão ser cuidadosamente seleccionadas.

Idealmente, o cão ou gato deverá estar exposto pela primeira vez a estes ingredientes. Por isso ingredientes utilizados com frequência nas rações comerciais (ex. carne de vaca) não são indicados. Isto porque para desenvolvimento da alergia alimentar é necessária a exposição prévia ao alimento.

Possíveis ingredientes a utilizar numa dieta de eliminação:

  • Peru;
  • Coelho;
  • Veado;
  • Aveia;
  • Algas;
  • Alfafa;
  • Batata.

Esta dieta inicia-se lentamente durante 4 dias. Deverá ser administrada durante 6 a 10 semanas sem acesso a nenhum outro alimento. Isto significa que não pode comer outros alimentos sem ser esta dieta. Nem guloseimas, nem restos de alimentos, nem ter acesso a rações de outros animais.

Sem este cuidado poderá nunca diagnosticar a alergia e nunca conseguir tratar o seu cão ou gato. Também se devem remover os brinquedos que contenham proteína animal, como os brinquedos de roer (ex. ossos de couro).

Se durante este tratamento houver redução nos sintomas (prurido) está diagnosticada a alergia alimentar. Se não há redução nos sintomas, ou o animal consumiu o alergénio acidentalmente ou não se trata de alergia alimentar.

 

Tipos de rações hipoalergénicas de eliminação

As rações para cães com alergia de pele por sensibilidade aos alimentos (e gatos) podem ser de 3 tipos: caseiras, comerciais com ingredientes limitados, comerciais com proteína hidrolizada.

 

Dieta Caseira

Quando é complicado encontrar rações comerciais hipoalergénicas faz-se uma dieta caseira. Nesta introduz-se uma fonte de proteina e uma fonte de carbohidratos em proporções de 1:2 a 1:4. Em gatos, poderá dar-se comida de bebé com um único ingrediente.

Fontes de Proteína:

  • Peru;
  • Cordeiro;
  • Coelho;
  • Veado;
  • Tofu.

Fontes de Carbohidratos:

  • Arroz;
  • Batatas.

Esta dieta tem a vantagem de se adaptar a cada animal. É fácil introduzir alimentos aos quais o animal nunca este exposto. No entanto, pode tornar-se caro (dependendo dos ingredientes e do tamanho do animal) e requer disponibilidade por parte do dono.

Por último, esta ração não é indicada para ser dada a longo prazo. A dieta caseira de eliminação não é nutricionalmente completa. Após diagnóstico terá que ser substituída por uma nova dieta. Se mantida por tempo  prolongado pode induzir deficiências nutricionais.

 

Dieta Comercial com ingredientes limitados

Existem rações hipoalergénicas à venda. Estas são constituídas por apenas uma fonte de proteína e uma fonte de carbohidratos, tal como a dieta caseira. No entanto, fica-se limitado às rações que existem no mercado. Pode não existir uma ração com a combinação de ingredientes à qual o animal nunca tenha estado exposto. Torna-se necessário avaliar a lista de ingredientes da ração.

Por outro lado, são mais cómodas paar os donos. E são dietas equilibradas e balanceadas que poderão ser utilizadas no diagnóstico mas também na alimentação a longo-prazo.

 

Dieta Comercial de Proteina Hidrolizada

Nestas rações hipoalergénicas há destruição das proteínas na tentativa de destruir o alergénio. Utilizam proteínas como a soja, galinha, caseína e fígado destruindo a estrutura proteica.

Estas rações podem ser caras, o animal poderá não as aceitar bem por conterem sabores estranhos resultantes da quebra das proteínas, e poderão ainda manter algum efeito alergénio.

Por outro lado, são convenientes e nutricionalmente equilibradas. Poderão ser utilizadas durante o diagnóstico e também no dia-a-dia do cão ou gato com alergia alimentar.

 

Tratamento: Dieta Definitiva

A longo-prazo, o cão ou gato precisam de uma alimentação nutricionalmente equilibrada e palatável sem alergénios. Isto requer adaptações da dieta caseira com a inclusão de mais ingredientes, ou a adaptação a uma ração comercial.

A proteína usada deverá ser de boa qualidade e de alta digestibilidade. Ainda poderá incluir os ácidos gordos omega-3 e omega-6 uma vez que parecem ajudar a reduzir a inflamação e prurido.

As dietas caseiras normalmente não são recomendadas a longo prazo. São incovenientes para o dono, potencialmente caras e podem não ser completas originando defices nutricionais.

Por outro lado, o cão ou gato pode desenvolver sensibilidade a novos ingredientes. Se isto ocorrer, será necessário repetir a identificação dos ingredientes. Da mesma forma, a sensibilidade poderá reduzir-se passando a tolerar o ingrediente.

O tratamento da alergia alimentar nos cães e gatos passa por administração a longo-prazo de uma dieta hipoalergénico nutricionalmente adequada. Trataementos médicos com corticoides não são indicados a longo-prazo uma vez que nem sempre funcionam e poderão originar efeitos secundários graves.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *